Saiba como funciona o tratamento de resíduos laboratoriais

Os laboratórios estão entre os estabelecimentos de saúde que geram grande quantidade de rejeitos. Com potencial de alta contaminação, estes resíduos laboratoriais oferecem risco a quem manipula, à saúde pública e também ao meio ambiente, desde a geração até a destinação final.

Por isso, cada etapa exige a máxima segurança de todos os envolvidos em um Programa de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS. Veja em nosso artigo como cada etapa deve ser gerenciada e tire suas dúvidas. Vamos começar?

Você pode se interessar por:

Segurança no trabalho: faça o manuseio seguro de resíduos

Como deve ser feito o manejo dos resíduos laboratoriais

O momento da geração requer atenção e vigilância para que, ao término do procedimento, se saiba exatamente como separar adequadamente cada material. Não se pode falar sobre o tratamento, sem antes dar uma pincelada nas etapas anteriores, certo?

E a segregação é a primeira delas. Dependendo do material, ele vai separado, armazenado e destinado no laboratório levando em consideração seu grau de perigo de infecção e também as características físico-químicas.

Em laboratórios é comum que os resíduos sejam também substâncias resultantes de processos em exames. Essa mistura, muitas vezes, pode causar grandes danos ao meio ambiente e à saúde pública, principalmente se entrarem em contato com outros materiais e superfícies. Então toda cautela é essencial durante as atividades.

Segurança para o laboratório
Você já deve saber que as etapas de um PGRSS são: a segregação, o acondicionamento, o tratamento, o armazenamento, o transporte, e a disposição final, certo? Logo está explícito que deve existir uma equipe qualificada para monitorar cada passo e executar com toda a segurança e excelência.

Isso traz vantagens em diversos âmbitos, para a segurança dos funcionários, para a conservação do meio ambiente, além de regularizar as atividades do estabelecimento, evitando multas e cancelamento de alvará de funcionamento. A atividade é legitimada conforme determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS.

A segregação na prática
Para ser executada, precisa levar em consideração as propriedades químicas, físicas e biológicas. É importante, nesta etapa, que sejam observados no próprio local de geração outros detalhes que vão influenciar no restante do processo, como o estado físico, por exemplo e alguns critérios que vamos discorrer abaixo:

Critério 1: periculosidade. Tendo como base a NBR 10.004 é possível caracterizar os resíduos.

Critério 2: estado físico dos resíduos laboratoriais e separar os líquidos dos sólidos.

Critério 3: nível de incompatibilidade química para evitar reações e acidentes.

Como acondicionar adequadamente
Sempre devem ser acondicionados em recipientes que sejam resistentes e de estrutura compatível com os resíduos que serão colocados ali, além de serem rotulados e vedados.

Para não errar, devem conter as inscrições “resíduo perigoso” ou “resíduo químico”. As informações que devem seguir são:

Nome do resíduo;
Composição qualitativa;
Frases e símbolos de risco;
Nome do responsável pela geração do resíduo;
Volume; e
Data de armazenamento.
Para que acidentes sejam evitados, esses resíduos devem estar dispostos sobre bandejas de contenção.

O armazenamento temporário
Até que o momento de retirada chegue, os resíduos laboratoriais precisam estar devidamente armazenados de modo que suas características não sofram alterações.

Os recipientes devem estar fechados e bem identificados para que esta etapa seja executada de forma fluida pela empresa de coleta especializada. Os coletores devem estar protegidos do calor, da luz excessiva e da água, assim evitam-se acidentes e contaminação generalizada.

Hora da destinação final

Os resíduos de saúde, geralmente, são mais complexos para a reutilização. No entanto alguns resíduos laboratoriais, se forem químicos, podem ser tratados e recuperados para uso posterior.

Os que não podem receber esse tipo de tratamento, passam por mais um processo e em seguida encaminhados para um aterro sanitário específico para receber esse tipo de material.

Este conteúdo foi útil para você? Você viu no artigo que os resíduos laboratoriais precisam de atenção redobrada pelo alto grau de periculosidade que apresentam. Um manejo responsável é essencial para evitar a contaminação de funcionários, do público e do meio ambiente.

E para se aprofundar no assunto, leia agora:

Entenda como a Norte Ambiental realiza o tratamento de resíduos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>