Resíduos de serviços de saúde veterinária: como diminuir a geração

Resíduos de serviços de saúde veterinária: como diminuir a geração

A gestão de estabelecimentos de saúde é sempre um desafio. Além de cuidar do atendimento clínico, existe a preocupação com o lado financeiro, administrar processos, manter uma estrutura física adequada, entre outros detalhes que a gestão precisa estar atenta. No caso das clínicas, inclusive as veterinárias, ainda existem as licenças que devem estar em dia para legalizar as atividades. Muitas delas só são emitidas se houver um PGRSS que gerencie os resíduos de serviços de saúde veterinária.

Para saber mais sobre esse assunto, continue a leitura do artigo e aprenda como reduzir esse tipo de resíduo e o que fazer com ele. Confira!

Você pode se interessar por:

– Gestão de clínica veterinária: pontos que você deve dar uma maior atenção

Entenda os resíduos de serviços de saúde veterinária

Estão enquadrados como resíduos de serviço de saúde, um tipo de rejeito que, por ser de caráter biológico, tem grande potencial contaminante se descartado de maneira incorreta.

Esses resíduos, que vêm dos procedimentos médicos, podem trazer riscos para a saúde humana e para o meio ambiente se nas seringas, tecidos orgânicos, curativos, resto de medicamentos estiverem infectados por microorganismos patogênicos perigosos. Todo e qualquer resíduo biológico, que resulta do atendimento médico, deve ser tratado como infeccioso, mesmo não havendo doenças.

A única maneira de cuidar dos resíduos de serviços de saúde veterinária corretamente é tendo um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, ou apenas PGRSS como é comumente chamado. E ele é obrigatório tanto para os estabelecimentos que cuidam da saúde humana quanto à saúde animal. Sem exceções.

3 dicas para diminuir a geração de resíduos de serviços de saúde veterinária

Vacinas, produtos químicos e restos de pelos contaminados são exemplos de resíduos que representam ameaças para a saúde e bem-estar coletivos se descartados em qualquer lugar e sem manejo adequado.

Para estes, é um pouco difícil ter controle sobre a geração porque eles dependem do atendimento necessário aos animais. Mas há outras formas de diminuir a quantidade de resíduo gerado na sua clínica.

  1. Tenha um controle de estoque rígido

Parece um pouco aleatório, mas tudo começa com o controle de estoque. Sem isso, seus insumos correm grandes riscos de serem desperdiçados, mal usados e contabilizados e isso, além de gerar mais resíduo desnecessário, ainda pesa no orçamento da clínica.

Portanto, saiba tudo o que existe no estoque, se atente aos prazos de validade dos produtos e ao acondicionamento adequado dos materiais, organização do espaço físico e mantenha o registro atualizado do que entra e do que sai constantemente.

  1. Padronize processos

É outra ótima maneira de diminuir a geração de resíduos de saúde veterinária. Se cada profissional que atua em sua clínica executar os procedimentos como achar certo, então certamente haverá um grande desperdício de materiais e não haverá controle sobre essa massa de resíduo.

Padronize os processos, se for necessário crie um passo a passo e um fluxograma para que todos trabalhem da mesma forma e entendam o porquê dessas medidas serem tomadas. Desde o atendimento, triagem, procedimento, até a observação e alta precisam ser detalhadas. Assim fica mais fácil estimar o que vai ser usado e estipular uma quantidade máxima de material para aquele atendimento. Ter controle sobre isso também faz muita diferença no total de resíduo gerado.

  1. Ter um PGRSS ativo e eficaz

Um PGRSS não é uma mera formalidade que só serve para emitir licenças. Ele é um documento vivo que detalha cada processo da clínica e ajuda bastante na redução de resíduos.

Quando possível, reutilizar e reciclar são estratégias que podem conter o alto volume de resíduos a ser descartado. Além de ser seguro, custa menos e controla os impactos no meio ambiente e nas finanças da clínica e ainda evita multas ambientais, como a legislação exige.

O que diz a legislação nacional

Todos os serviços de saúde, que envolvam cuidados com humanos ou animais, precisam de um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, ou simplesmente PGRSS como também é chamado.

É este documento que vai determinar procedimentos adequados para os resíduos gerados nos atendimentos. Se bem elaborado e executado, a gestão de clínica veterinária consegue planejar e executar suas atividades com o mínimo de risco possível à segurança e bem-estar dos animais e das pessoas e à conservação do meio ambiente.

Assim, as etapas de manejo – segregação, armazenamento, transporte e destinação final – são realizadas da maneira correta, visto que os atendimentos aos animais geram resíduos perigosos dos seguintes grupos, :

  • Agentes biológicos;
  • Substâncias químicas;
  • Rejeitos radioativos;
  • Resíduos comuns; e
  • Materiais e utensílios perfurocortantes.

 

Gostou do conteúdo? No dia a dia, com a realização dos procedimentos, parece um pouco improvável que se consiga diminuir a geração de resíduos de serviço de saúde veterinária, mas depois de ler o nosso artigo com certeza ficou mais fácil saber como monitorar essa questão. Um PGRSS conduzido pelas diretrizes básicas da legislação é o primeiro passo para ter sucesso na tarefa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>